Não aceite minhas desculpas.

Bem-te-vi na soleira da velha casa cansada
de olhos profundamente caídos,
senti apertar-me o peito,
eu já sabia todos os motivos do peso daquele olhar.
E outra vez eu não quis te ouvir,
eu não quis ficar.
Não aceite minhas desculpas,
eu não quero piorar.
E não me diga “tudo bem”
se não está.
Hoje eu sou o que você não quis pra mim,
já tentei ser melhor,
mas eu caminho na contramão
da sua mão, que insiste em querer me guiar.
Tudo aquilo que é bom em mim
é alimentado por você,
e aquilo que te fere
é o que eu desejo matar.
Não dá, também faz parte do que eu decidir ser.
Só queria que aquele seu sorriso
voltasse a me trazer aquela paz de brisa bonita, de nova manhã.
Eu não queria crescer,
eu não queria te decepcionar.
Não aceite minhas desculpas,
elas não valem mais.

2 comentários:

Paulinho disse...

amei. você escreve muito bem.

Parabéns :D

allan disse...

Puro amor e Tristeza junto...
vC escreve demais...