Assim sem ser, compondo o silêncio, uma indefinição definitiva.
O raso fio de imensa intensidade falseada, nosso encontro com a melhor maldade.
Dúvida certeira.
Uma felicidade magoada, uma espera adiada... 
Um soco na boca do estômago ocupando o lugar das borboletas.
Um buraco ao invés de um eu te amo.

2 comentários:

samanta almeida - disse...

seguindo, gostei do blog :*

no mundo da lu(a) disse...

Linda poesia.
Você escreve muito bem.
Parabéns,
bjo.